Coração Galáctico

No dia 06 de Junho deste ano, a mocidade espírita Joana de Ângellis estudou o tema As relações Familiares, através de uma live com os membros do grupo de estudos da quarentena. O estudo foi baseado no filme Viva! A vida é uma Festa!  Uma animação dos estúdios Disney e da Pixar. Emmanuel nos traz uma preciosa elucidação acerca do tema da aceitação e do diálogo, discutidos durante a live. No capítulo Companheiros e Caminho, do livro Companheiro Reflexões para a Vida, psicografia de Chico Xavier, ele nos diz:  “Não queira transformar os entes queridos sob o martelo da força. Ninguém precisa apagar a luz do vizinho para iluminar a própria casa. Uma vela acende outra sem alterar-se. Ama os teus, aqueles com quem Deus te permite compartilhar a existência, entretanto, respeita o caminho de realização a que se ajustem. Esse escolheu a senda do burilamento próprio; aquele procurou a via de trabalho constante; outro escolheu a trilha de responsabilidades intransferíveis a fim de produzir o melhor; e outro, ainda, indicou a si mesmo, para elevar-se, a vereda espinhosa das provações e das lágrimas. Auxilia a cada um, como puderes, entretanto, não busque transfigurar-lhes o espírito, de repente, reconhecendo que também nós não aceitaríamos a nossa própria renovação em bases de violência. ” O diálogo é essencial para que o processo de aceitação do outro ocorra, ou seja, o processo de aceitação do “ ser ” do outro. É muito fácil dialogar dizendo não e impondo a própria verdade/vontade e isso não é um diálogo sadio mas imposição. Em um diálogo pressupõe-se a busca do entendimento da problemática situacional e possíveis soluções ás necessidades dos envolvidos e deve-se chegar a conclusões e resultados baseados nas explanações e argumentos, devendo o diálogo caminhar para o desenvolvimento de um denominador comum; um entendimento em que ambas as partes consigam enxergar uma solução. Um verdadeiro diálogo resulta na obtenção de luz para a consciência de seus praticantes. Chega-se á conclusão de que um dos envolvidos terá que ceder. Se existe algo em jogo, uma das partes provavelmente terá que abrir mão de algo ou alguma ideia em prol do entendimento maior de que aquilo é o melhor a ser feito. Esse tipo de conclusão deve permear as relações familiares, pois gera resultados que permitem o alcance de mais possibilidades evolutivas a todos os envolvidos na questão. Com essas novas possibilidades que o verdadeiro diálogo possibilita, há a abertura da construção de um amor mais forte, pois ele se fortalece com as experiências. Portanto todos os aprendizes saem ganhando, todos aprendendo a amar e buscando aumentar o amor, eis a razão da vida, eis a lição mestre dada por seu emissário Jesus Cristo, o amor basta. Denise Castelo Nogueira

Siga e Curta a Página