Coração Galáctico

” A transição planetária cobra mais comprometimento individual, com o aceleramento da dissipação das nossas mazelas mentais, que não vão de encontro á paciência e a reestruturação de nosso equilíbrio interno. Viver nos tempos atuais, que são os mais desafiantes dos tempos, exige de nós que adquiramos postura e será essa postura interna que quando bem adquirida, iremos usar para ter possibilidades ainda melhores. Através delas seremos todos conduzidos, todos que entenderem a importância da confluência energética na busca por melhores dias, dias que estão batendo a porta.

Vivemos uma conjuntura energética desafiadora, diariamente, saber navegar sabiamente por elas é estar de posse da proposta deste livro que é ter mais paciência. Quando eu me doou em completude com o Todo, eu me torno paciente, pois sei que estou dando o melhor de mim, pois o Todo responde á minha paciência, que foi cultivada e hoje tornou-se colheita na minha rotina. Quando eu procuro aprimorar a minha paciência, eu sei que dias melhores sempre irão nascer, pois colhemos sempre o que plantamos. Respeitar nossos próprios limites, mas sabendo que estamos aqui para ultrapassar alguns limites que impusemos a nós mesmos em épocas passadas. Sem parecer um paradoxo, é importante que a vida seja para nós uma eterna sensação, como o fluxo de um rio que segue naturalmente uma trajetória com seus objetivos.

Viemos sim para engradecer nosso propósito enquanto seres imortais e faz parte desse engrandecimento o auto reconhecimento de nossos limites. Queremos tudo, mas não damos conta neste momento. Reconhecer isso é se auto respeitar também em muitas situações e para elas isso é tudo o que é necessário para que limites como a falta de paciência sejam quebrados! Pois se estou totalmente consciente do que sou e do que não sou capaz, então o primeiro passo foi dado para quebrar os limites que nos impedem de agir, quando dizemos que não temos tempo para isso, tempo para aquilo. Estar consciente significa estar desperto para o que se passa conosco. Devemos respeitar nossos limites, quando estamos doentes e o corpo pede cuidados, aliás devemos começar a nos cuidar antes de nosso estado exigir repouso absoluto, portanto o cuidado diário para se manter em equilíbrio passa por todos os graus de reconhecimento de limites. Por isso se eu identificar que possuo por exemplo, mais facilidade em adoecer, estou a reconhecer esse limite, então se isso já é luz para a minha consciência, os próximos passo será: Como posso romper esse limite, para ter mais saúde? Voltando a falar de paciência…

Quando eu reconheço que não posso ter mais paciência com uma situação, que cheguei ao meu limite, é importante quebrar esse limite e se permitir mais paciência. Isso não quer dizer que não devo agir com a situação em questão, eu devo agir sim, provavelmente preciso fazer o que minha mente sugestiona, mas como vou fazer?

Se estou decretando estar sem paciência, é melhor que eu quebre esse limite e me alimente de mais paciência, porque mesmo que a minha ideia para resolver o conflito em questão dê certo, precisarei de mais paciência para esperar as consequências seguintes e se eu não tiver mais paciência provavelmente a solução ou parte dela podem ficar comprometidas, o que quero dizer é que muitas coisas dão errado e muitas são para sempre, simplesmente quando decretamos que não temos mais paciência! Percebe a diferença? Eu identifiquei que existe um limite para uma situação que não pode continuar, mas ao mesmo tempo decretei que estou sem paciência. Por que não colocar o limite apenas para a situação e não para a minha falta de paciência? Isso é agir com sabedoria, então é melhor eu dizer a mim mesmo: “Esta situação está no limite, eu agirei dessa forma, mas não perderei minha paciência, mas agirei ”! Isso é agir, isso é solucionar com uma postura correta. A vida exige de nós postura, as coisas realmente desafiam nossos limites, mas se não dermos oportunidade para o cultivo de sempre mais paciência, estamos agindo errado e contra o real sentido da vida.

A vida tem o seu sentido com suas lições e devemos saber agir, porque essas lições são para que sejamos capazes de aumentarmos nossas capacidades físicas, emocionais, espirituais e intelectuais. Quando eu digo para a vida que não tenho mais paciência, a vida automaticamente está criando um novo desafio lá na frente, porque este em questão talvez não dê certo! E o que ela quer? Que desenvolvamos sempre nossa paciência e quando decretamos que não damos mais conta, todo o problema perde a sua razão de ser, que é induzir em nós o aprimoramento de nossas capacidades, rumo a um novo degrau em nossa evolução. Portanto antes de pronunciar decretos como: “ É o fim da minha paciência ”! Tente mudar para: “ Eu vou agir, não deixarei de agir, e terei mais paciência porque a razão disso tudo existir é para aumentar a minha capacidade de ser paciente e isso envolve a minha relação de amor com os envolvidos nesta questão, envolvendo também o meu relacionamento amoroso comigo mesmo (a) ’’.

O segredo sempre é amar mais. Para se ter mais paciência é necessário que eu foque no engrandecimento do amor. Cristo é um Cristo que espera e que quando espera, ama sem medidas, porque aprendeu que a paciência só existe quando aprendemos a amar e verdadeiramente uns aos outros. O segredo para alcançarmos qualquer coisa sempre foi aprendermos a amar, sem amor não há perdão, e sem perdão não há possibilidade de se continuar transitando pela vida de maneira leve, porque sem amarmos o suficiente, somos apenas esboços humanos, esboços que se soubessem que só é necessário o amor para o fim do sofrimento na Terra, seriam mais sábios pois se reconheceriam como projetos imortais.

Quando amamos, permitimos a sabedoria divina agir através de nós, para que o bem possa ser feito e se concretize como realidade a todos aqueles que esperam por isso, isso é agir sendo instrumento divino.

Todo aquele que possui sabedoria, precisa passar essa sabedoria, para que outros tenham oportunidade de ver mais um lado da moeda e assim crescer em sabedoria que é amor. Deus é inteligência suprema causa primária de todas as coisas, isso nos diz o espiritismo. Eu acrescentaria que Deus é inteligência suprema e que o amor é o ato mais sábio que ele executa.

O ato mais sábio desta Fonte é simplesmente amar. Quando a Fonte ama ela gera vidas e a Fonte não pratica nada contrária ao amor, por isso Ela jamais deixa de ser sábia. Como já afirmei em capítulos anteriores deste livro, todo aquele que preserva a vida também pratica uma atitude sábia.”

Retirado do Livro Paciência : a última fronteira, de autoria de Denise Castelo Nogueira.

www.coracaogalactico.com.br

Livro disponível para compra, acesse:

Siga e Curta a Página